Estabelecendo Conexões Polivalentes para seu Networking

Este é mais um daqueles termos importados do inglês que todos nós caprichamos na pronúncia e buscamos inserir em muitas conversas com entusiasmo. Networking não é um conceito novo nem desconhecido pela grande maioria dos habitantes do ecossistema corporativo. Porém, a questão principal é; Quem de fato possui a plena consciência de sua real importância e o utiliza de maneira estratégica como uma ferramenta de negócios e de gestão de marca pessoal?

Devido a miopia de uma parcela considerável do mercado, o termo e a prática acabam, muitas vezes, por cair em descrédito ou mesmo ser visto de modo menosprezado ou até pejorativo. Por inúmeras vezes já ouvi comentários do tipo;

  • Como você arranja tempo para participar de tantos eventos, você não trabalha, não?
  • Participar de eventos não atrapalha você em seu trabalho?
  • Você que possui tantos contatos, não perde muito tempo com pessoas te pedindo ajuda o tempo todo?

Logicamente, a resposta para estes três tipos de indagações é sempre um sonoro NÃO. Afinal, frequentar eventos não é passeio ou lazer. Embora seja uma prática prazerosa para mim, é sempre uma ação tática que serve à uma ou mais estratégicas previamente determinadas. Sempre que planejo ir à um evento, estabeleço metas de novas conexões para serem estabelecidas. Tanto para a quantidade de pessoas à interagir, quando à setores ou perfis que devo procurar para me relacionar, de acordo com o tema ou local do evento. Estar atento às oportunidades e aos imprevistos também é importante. Procuro identificar quem são as pessoas mais importantes e bem conectadas do ambiente e crio as circunstâncias necessárias para me aproximar e estabelecer um primeiro contato de abertura.

Além do grande aprendizado e diferentes visões de mundos que se pode obter nestes ambientes, estar em um evento de negócios, seja uma feira, congresso, palestras, ou no happy hour da empresa, ou ainda participando de grupos de discussões, é sempre o momento para mapear, caçar e estabelecer novas conexões de valor. E, evidentemente que, para estabelecer estas conexões de valor, é preciso estar sempre disponível para sua rede.

Pois, o segredo para se construir um bom e verdadeiro networking de valor está na arte de ser interessante sem ser interesseiro.

O Networking e suas conexões polivalentes

Networking, significa a capacidade e prática de estabelecer uma rede de contatos com outros profissionais que possam contribuir para um sistema de trabalho em rede. Estabelecendo assim, um conjunto de conexões que oferece uma maior cobertura e suporte de informações, compartilhamento de serviços e troca de conhecimentos entre profissionais e indivíduos com interesses em comum.

E para construir um networking eficaz é preciso realizar múltiplas conexões. Ou como costumo chamar; conexões polivalentes. Para antes de tudo, sermos um HUB de múltiplas conexões no setor de atuação. Uma conexão é um estabelecimento muito mais profundo do que apenas possuir um cartão de visita ou um telefone de um contato. É puro relacionamento. Pois networking, não tem a ver com o número de pessoas que conhecemos. Mas sim, com o quanto conhecemos cada uma de nossos contatos e como somos conhecidos pelos profissionais do mercado em que atuamos.

Cultivar um networking de valor com conexões polivalentes no mundo corporativo é algo muito parecido com as combinações de cadeias de átomos na composição de moléculas que aprendemos ainda jovens nas aulas de química orgânica.

Na prática isso significa que não basta ter muitos contatos, mas sim, desenvolver relacionamentos sustentáveis e de múltiplas utilidades. E para que estes relacionamentos se transformem em conexões fortes, precisam funcionar como uma via de mão dupla. E a melhor forma de medir a qualidade do nosso networking, não é contar o número de seguidores nas redes sociais ou o volume de cartões de visitas acumulados dentro de uma gaveta, ou ainda a quantidade de números gravados na agenda do celular. Mas sim, mensurando o quanto e o como somos reconhecidos por estes mesmos contatos quando os procuramos. Ter 600 ou 1200 contatos cadastrados na agenda não me torna alguém mais influente ou me trará respostas melhores para minhas principais dúvidas, se ao ligar ou escrever para alguém, este alguém não tiver ideia de quem está do outro lado da linha. E na maioria das vezes, precisamos ser relevantes e colaborativos com nossas conexões para que nossa reputação seja construída e nos permita, no momento certo, ativar as pessoas certas para solicitar uma indicação de cliente, de emprego, de fornecedor, de informação ou mesmo ajuda para cumprir determinadas tarefas. E isto leva tempo e requer frequência.

Deixe de ser um “colecionador de contatos” e passe a ser um “construtor de pontes”.

Pois, certamente, essas pontes nos permitirão chegar a lugares que ainda nem imaginamos.

Abaixo, listo algumas práticas simples. Porém, importantes. Que poderão lhe ajudar a criar novas conexões polivalentes em eventos ou encontros sociais. E que certamente lhe serão de grande valor para as suas estratégias. Sejam elas, de vendas, de carreira ou o que for.

1 – Participar ativamente de eventos

Não se trata de encher a sua agenda de eventos. Embora a quantidade e frequência auxiliem bastante no processo. É a sua atitude que fará toda a diferença. Participe de eventos de forma ATIVA e consciente. Vá munido de cartões de visita, caneta ou celular para anotações. Mas também estude o tema e principalmente os principais perfis que deverá encontrar no ambiente. Defina o perfil de quem você quer interagir e os procure ativamente no decorrer do evento. Não perca tempo nem se distraia com atrações fora deste foco.

2 – Elimine a conversa fiada

Muitas vezes o tempo de abordagem e interação é muito curto. Quanto mais importante ou interessante for a pessoa, maior será o assédio ao seu redor. Então, pule o papo furado. Evite assuntos desgastados. Seja objetivo e ganhe tempo. Cada situação é única. Então, utilize isso a seu favor e seja criativo na ora de realizar sua abordagem inicial. Se acertar a mão, ganhará a atenção do seu alvo. Utilize-se do ambiente e de seus elementos para provocar um encontro providencial ou bloquear a abordagem de outros interessados em seu contato. Lembre-se. Você não estará sozinho nesta caçada.

3 – Pergunte a opinião das pessoas

Não seja uma metralhadora ambulante. Do contrário, será descartado antes de usar metade de sua munição. Faça perguntas e coloca as pessoas para falar. Peça a opinião das pessoas. Todo mundo tem uma! E certamente elas investirão um tempo falando de si, de suas ideias e de seu universo. Isto é informação pura. E poderá servir tanto para que você possa dar continuidade a conversa como para fazer uma análise da pessoa e validar se está em sintonia com o que estabeleceu como alvo. Se não estiver. Então, ache uma forma de finalizar o assunto e partir para outra abordagem. Evitar assuntos polêmicos é uma maneira de não deixar a pessoa de calças curtas ou de criar atritos ideológicos já na primeira impressão.

4 – Peça um conselho ou recomendação

Agora, se a abordagem foi positiva e o item 3 desta lista lhe deu condições de conhecer mais a fundo a pessoa com quem está interagindo. E se sim, o perfil está alinhado com o que buscava. Continue. Provavelmente a conversa já deve estar fluindo bem neste momento. Então peça conselhos e recomendações. Isso além de manter a conversa por mais algum tempo e lhe beneficiar da experiência alheia, demonstrará que você valoriza a opinião das outras pessoas. Tornando-o um contato interessante para se ter por perto e estabelecer uma boa conversa.

5 – Faça uma pergunta que seja fácil de responder

Uma maneira de medir o conhecimento e experiência das pessoas em determinados assuntos, é lhe fazer perguntas simples e que sejam fáceis de responder. Desta forma você poderá saber com rapidez se a pessoa domina o assunto, se ela se sente confortável para falar disso ou não. Esta técnica ajuda tanto na validação do perfil quanto para manutenção da abordagem, mapeando assuntos com os quais seu contato tenha maior afinidade e conhecimento.

6 – Estabeleça vínculos

Se você já conhece a pessoa abordada, faça referências à momentos anteriores em que já tiveram a oportunidade de interagir. Ou menções aos feitos e realizações da pessoa, sua instituição ou categoria. Pergunte sobre como foi participar de projetos reconhecidos pelo mercado, como a empresa na que a pessoa trabalha está atuando diante de acontecimentos relevantes ou ainda, comente como você também viveu algo parecido ou compartilhar da mesma opinião ou experiencia.

7 – Chame a atenção com inteligência

Nem sempre é possível, mas se puder chamar a atenção de todos para você em determinado momento com criatividade, e a usar com sabedoria. Este item facilitará muito a abordagem de abertura para novas conexões. Se estiver em uma plateia de uma palestra, por exemplo, solicite o microfone o momento aberto para perguntas do público, identifique-se e faça uma pergunta inteligente. Isso o fará conhecido pelos demais. Se tornando o alvo para quem estiver no evento caçando por um perfil semelhante ao seu. Assim como, lhe dará um contexto para iniciar novas conversas com desconhecidos. Ser prestativo ou o primeiro a tomar uma determinada atitude diante de olhos atentos, poderá lhe colocar em evidência, também. Pratique e usufrua do benefício. Isso fará com que um número maior de pessoas se dirija até você. Reduzindo assim seu esforço de “caça” e dando-lhe o privilégio de escolher com quem quer estabelecer conversas mais aprofundadas.

Sobre tudo, fazer networking é muito mais do que tomar café com um amigo ou participar de eventos com desconhecidos. Networking é uma atividade individual para desenvolver e manter relacionamentos com outros que tenham o potencial de ajudá-lo em seu trabalho ou carreira. A sua relação e a forma com que liga com estas conexões estabelecerão o seu valor e potencial do Capital Social. Portanto, lembre-se; um bom networking não está ligado ao número de contatos que você tem. E sim, ter o contato certo para o momento certo. Não é a quantidade que importa e sim a qualidade. Para isso;

  • Selecione seus contatos: Procure manter contato com as pessoas que realmente sejam importantes para você e para sua vida profissional. Faça colegas e amigos.
  • Seja notado: Ser encontrado é uma forma fácil de ser lembrado. Portanto, mantenha os perfis das redes sociais atualizados, compartilhe o que tem feito e os eventos que frequenta. Construa uma boa reputação on-line. Tenha um perfil bem formado no LinkedIn. Tenha sempre em mãos cartões de visitas para troca de e-mails. Afinal, nunca se sabe quando oportunidades irão surgir. Esteja preparado.
  • Divida para conquistar: Por mais tentador que seja para você e para seus colegas permanecerem juntos. A área de cobertura e o número de contatos inéditos que cada um conseguirá abordar será muito maior se você e eles agirem de modo independente. Principalmente quando o formato do evento envolve mesas ou plateias. Você estará, ao menos por um tempo, limitado às pessoas ao seu redor. Então não permite que seu colega de trabalho ocupe o lugar de um potencial novo contato. Além do fato de que você e ele abordariam as mesmas pessoas ao seu redor.
  • Organize-se: Mantenha seus contatos organizados e atualizados. De preferência em um único lugar e que esteja sempre ao seu alcance. Na agenda do e-mail ou do celular, não importa. O importante é que estejam sempre organizados, atualizados e ao seu alcance.
  • Não fale demais, mas não deixe de se posicionar: Não tome conta das conversas, mas fale o necessário para ser notado e para que seu conhecimento seja percebido pelos outros. Posicione-se! As pessoas admiram quem tem coragem de tomar partido. Mesmo que alguns não goste de suas ideias e opiniões. Os que concordarem, certamente o seguirão.
  • Nunca fale mal dos outros: Seja na internet ou pessoalmente. Com razão ou não. Jamais fale mal de alguém e evite criticar as empresas também. Assim como obter desafetos é prejudicial para o seu networking, ser referência de reclamações e negatividades, pode afugentar contatos que receiem ser algo de sua ira um dia.

E acima de tudo, seja uma pessoa agradável com quem as pessoas sintam-se bem em desfrutar de sua companhia.

As pessoas lembrarão muito mais de como você as fez se sentirem do que exatamente você disse.

Escrito por Alexandre Conte.