Magalu + Jovem Nerd = 3 Impactos importantes no Marketing Digital

Geralmente não posto aqui sobre notícias e sim sobre pautas de conhecimentos e pontos de vistas. Porém, diante da notícia de hoje, de que a gigante varejista, Magazine Luiza adquiriu o Jovem Nerd, uma das maiores plataformas multimídia voltada para o público nerd e geek do Brasil, quebrei o protocolo e resolvi escrever este breve artigo sobre o assunto, destacando 3 impactos importantes no Marketing Digital. Isto porque se tornou assunto, objeto, tema e plano de fundo para as minhas aulas de hoje, de Fundamentos de Marketing e Marketing Estratégico, servindo de ilustração para a contextualização prática de mercado de alguns conceitos estudados em sala. Parte pela curiosidade e grande excitação das turmas, mas também, pelo grande simbolismo que o fato representa.

Para você que não é muito íntimo ou assíduo consumidor dos seus mais diversificados conteúdos sobre cinema, quadrinhos, séries, games, história, ciência, Internet e tecnologia. Isso tudo distribuído por diversos canais de diferentes mídias, como o Nerdcast, um dos podcasts pioneiros no país [2006], que já ultrapassou em 2019 a marca de 1 bilhão de downloads, sendo o líder no Brasil e 3º no ranking mundial. Também, os canais de Youtube NerdOffice e NerdPlayer, o portal de notícias NerdBunker e a rede de programas Nerdologia. Além de suas redes sociais que contam com cerca de 4 milhões de seguidores e os mais de 5,5 milhões fãs inscritos no canal do Youtube.

Mas, a minha intenção aqui não é trazer reportar ou noticiar o fato relevante anunciado hoje pela área de RI (Relação com Investidores) da Magalu. E sim, apresentar um ponto de vista da gestão de marketing sobre a importância e simbolismo destas transação e avaliar os seus impactos sobre o mercado de conteúdo, sobre as transformações nas aplicações de canais de comunicação e nas estratégias de relacionamento das marcas com seus públicos.

A gestão de marketing da Magalu já é referência e destaque há muito tempo. Uma empresa que se reinventou por meio da digitalização e promoveu uma emblemática transformação digital capaz de reposicionar o negócio, reconfigurar o mercado eletrônico brasileiro e promover grandes inovações para o setor varejista. Se tornou grande referência e inspiração para muitas outras empresas acelerarem seu processo de digitalização. E neste ano de 2021, a empresa acelerou seu programa de aquisições que tem absorvido tecnologias prontas do mercado para aprimorar seus sistemas e operações e também para ampliar o seu ecossistema.

E é justamente nesta segunda estratégia que reside o grande “pulo do gato”. Pois é comum que empresas realizem aquisições para incorporarem e reforçarem o seu core business com inovações, tecnologias ou até mesmo operações complementares. Como é o caso da aquisição anunciada na semana passada, quando a Magalu comprou a Smart Hint do meu amigo Rodrigo Schiavini, uma empresa que atua com um sistema de busca inteligente. Algo altamente aderente à plataforma do marketplace da Magazine Luiza.

Diferente da aquisição anunciada hoje. A incorporação do Jovem Nerd consiste na ampliação de canais, conteúdos e interações que constituem um ecossistema no qual o público é envolvido e conectado, reforçando a construção e ampliação da conexão consumidor-marca de uma forma muito mais ampla do que a mera transação comercial de compra e venda em uma loja física ou virtual.

Neste sentido, destaquei 3 pontos de atenção sobre os quais devemos observar grandes e importantes impactos sobre o marketing digital. São eles;

1 – Um SuperApp ainda mais Super

A Magalu já havia inovado e estabelecido uma relevante vantagem competitiva em 2015 ao lançar o seu aplicativo próprio, que de lá pra cá vem recebendo novas funcionalidades e aplicações, se tornando um dos principais “SuperApps” do Brasil. Esta por si só já é uma estratégia de grande sucesso. Pois ao direcionar o público para dentro do seu aplicativo, a marca torna a concorrência irrelevante. Pois diferentemente de navegar na internet fazendo buscas de produtos, notícias e outras funcionalidades com a possibilidade de abrir multiplas abras no browser e consultar resultados em diversos sites simultaneamente, o comportamento de interação se transforma completamente quando o consumidor mergulha para dentro de um aplicativo. Ele passa a ser o único ponto de atenção ao longo daquela micro jornada. E uma vez ali dentro, os indivíduos são estimulados, impactados e informados pelas notícias e anúncios exclusivos, capturando a atenção sem concorrência. E ao poder enriquecer e incorporar os conteúdos dos canais Jovem Nerd dentro deste ambiente próprio, tonará sua variedade, relevância e profundidade ainda maior para o seu público. E o reforço é de peso, não apenas pelo tamanho e representatividade da sua audiência, mas também, pela forma e autoridade que este conteúdo impacta seus consumidores. Criando maiores afinidades com novos públicos e ampliando as ofertas de conteúdo, tempo de permanência no App e nível de interatividade, além de fomentar novos hábitos. Sem dúvida será mais uma grande evolução deste SuperApp rumo aos modelos de sucesso que já tomam conta do mercado Chinês, casa e império destas aplicações que concentram inúmeras funcionalidades, conteúdos, atrações e possibilidades em um único aplicativo mobile.

2 – O mercado de conteúdo e influência digital

Vejo esta aquisição como uma equivalente contemporânea da aquisição da AOL pela Time Warner no final dos anos 90. Naquela década, foi a validação do mercado para o valor e potencial das empresas PONTOCOM. De forma até exagerada que se tornou a gênesis da bolha das empresas ligadas a Internet, chamadas de PONTOCOMs. Não vejo que desdobre ou contribua para a criação de novas bolhas similares. Embora, sem dúvida, irá impactar fortemente, principalmente a curto prazo, a valorização das empresas e canais de entretenimento e conteúdo digital. Mas, apostando em um mercado muito mais maduro neste ponto, acredito mesmo, que este setor se beneficiará e muito desta validação. É evidente que, se alguém conseguiu produzir e desenvolver um modelo de negócio exemplar e altamente relevante para o mercado no setor de produção de conteúdo digital como programas de Youtube e Podcast, foram o Alexandre Ottoni e o Deive Pazos.

Mas e agora? o que deve acontecer? As grandes empresas estarão de olho em como a Magalu irá digerir e utilizar esta aquisição em sua estratégia de comunicação e relacionamento. O que deve provocar novas buscas e aquisições, na aposta de que cerca-se de canais próprios de conteúdo e de interlocutores influentes pode ser consagrada como uma estratégia de sucesso para conquistar novos consumidores, reforçar os laços e relações com clientes atuais e criar debates mais profundos e interativos com seus diferentes públicos. Se até então, existia uma divisão entre os que viam o trabalho dos influenciadores digitais, blogueiros, youtubers e podcasters como canais muito nichados para ações efetivas e os que viam como canais especializados de alta autoridade com sua audiência, imagino que este fato contribua para homologar os formatos como canais de valor para as marcas. Não apenas como alternativas para veiculação de anúncios. Mas sim, como canais próprios ou apropriados para estimular e construir relações de maior conectividade com seus diferentes públicos.

3 – Ecossistema e comunidade de marca

Ao diversificar suas atividades e ampliar seu ecossistema digital ao lado do MagaluAds e o Magalu As A Service, Canaltech e o Steal The Look que são outras plataformas já presentes neste ecossistema de conteúdo da rede varejista, além de sua própria vertical de soluções de publicidade digital. Com o Magalu As A Service por exemplo, a empresa consegue criar valor e estabelecer uma comunidade reforçada de fornecedores e parceiros de negócios com uma lógica inversa ao intuitivo. Pois permite que lojistas, além de venderem seus produtos no marketplace da Magalu, possam também vender em suas lojas virtuais qualquer um dos mais de 4 milhões de produtos disponíveis, criando assim, uma espécie de marketplace invertido. O que prove valor para esta comunidade que se torna ainda mais ativa, fomentando muito mais negócios nas diferentes direções e sentidos.

Esta e outras ações são reflexo diretos de uma estratégia muito inteligente de acolhimento, relacionamento e integração de seus membros pautada no digital. Seja com consumidores finais, com fornecedores ou lojistas, a Magazine Luiza tem conseguido estabelecer relações e percepções de valores capazes de converter todos em promotores que passam a se comportar como verdadeiros fãs da marca. E, quando a empresa começa a enriquecer e diversificar sua oferta de notícias, informações e entretenimento como os conteúdos do Canaltech, Steal The Look e agora o Jovem Nerd, ela estabelece um novo patamar de dependência, hábitos e conveniência, onde a marca, seus canais e pontos de contatos passam a fazer parte do cotidiano das pessoas com um grau muito mais íntimo, frequente e consistente. O que transforma a brilhante jornada de digitalização e amadurecimento de negócio da Magalu em uma verdadeira e ao mesmo tempo incrível odisseia digital.

Escrito por Alexandre Conte.